II Reconhecimento Internacional Acampa 2022

Acampa pela paz e o direito a refúgio
Esculturas Reconhecimento

Indicações propostas

para el

II Reconhecimento internacional

Este é um reconhecimento anual às entidades ou pessoas que se destacam na defesa dos Direitos Humanos, especialmente nos campos de ação da Acampa: a defesa dos Direitos Humanos, o Direito ao Refúgio e a defesa da Paz e do diálogo como fórmula para a resolução de conflitos.

O objetivo é destacar a necessidade de defender os Direitos Humanos, apresentando o trabalho realizado por organizações e indivíduos que são uma referência e um exemplo para a sociedade como um todo. Pretendemos colocar a mídia em evidência a situação de regressão dos Direitos Humanos em todo o mundo e a importância de recuperá-los e defendê-los com a força e a resiliência das organizações e pessoas que recebem este reconhecimento, que será proposto e votado por todas as organizações e pessoas que compõem a Rede Acampa Internacional.

Caminando Fronteras

Representada por Helena Maleno Garzón

Ca-Minado Fronteras
Caminando Fronteras é um coletivo que defende os direitos dos migrantes e das comunidades migrantes. Nascido em 2002, é o resultado da sinergia e do encontro de diferentes defensores dos direitos humanos localizados em diferentes territórios da Fronteira Oeste Euro-Africana.

Esta ONG atua de uma perspectiva transnacional, transcultural, anti-racista e feminista através da qual denunciam as fronteiras como espaços de impunidade. Eles lutam pela restauração dos direitos nesses “não-lugares”, tecendo redes com pessoas e comunidades em movimento. Seu objetivo é minar a necropolítica que destrói os direitos das pessoas e comunidades migrantes. Eles fazem isso resistindo e resistindo coletivamente ao Estado, à violência corporativa e criminosa que habita o espaço de fronteira.

Eles andam e vigiam as fronteiras, garantindo ambientes e ferramentas de proteção que tornam possível a restauração e a reparação dos direitos humanos. Eles trabalham lado a lado com pessoas e comunidades em movimento, documentando e denunciando a dor causada por essa necropolítica: execuções de retornos sumários, mortes devido à violência institucional e desaparecimentos de pessoas. Juntamente com as famílias das vítimas fronteiriças, promovem a visibilidade dos mortos e desaparecidos, iniciando processos coletivos de identificação e reparação. Sua presença no terreno e seus telefonemas para proteger o Direito à Vida tornaram possível salvar centenas de milhares de vidas à deriva na Fronteira Ocidental Européia.

www.caminandofronteras.org

Helena Maleno Garzón

Proposta: Vangarda Obreira

Proposta: Vangarda Obreira

Ca-Minado Fronteras

Jineth Bedoya

Jineth Bedoya
A jornalista, escritora e ativista colombiana Jineth Bedoya tornou visível a violência de gênero e seu uso como arma de guerra em seu país, a Colômbia, dando voz a milhares de meninas e mulheres que foram estupradas, agredidas e assassinadas. Ela o fez com sua própria voz e através de seu movimento “No es hora de callar” (Não é hora de ficar em silêncio).

Jineth, raptada, torturada e violada por paramilitares enquanto fazia um relatório na Prisão Modelo de Bogotá em 25 de maio de 2000, detida, agredida por mais de 16 horas e depois abandonada em uma estrada, conseguiu através de sua luta levar o Estado colombiano à Corte Interamericana de Direitos Humanos e, 21 anos após seu ataque, obter uma condenação histórica. Foram duas décadas de pressão, medo e negligência institucional, através das quais não só ela, mas também todos os que a rodeavam, tiveram que suportar. Mas sua luta pessoal e a força de milhares de mulheres sem voz tornaram possível chegar a este julgamento e a esta sentença sem dúvida histórica. A mídia e a batalha legal foi longa. Mas a justiça veio. A Corte Interamericana de Direitos Humanos considerou o Estado colombiano culpado de ser incapaz de impedir o seqüestro e de ser lento e negligente no processo de investigação e condenação criminal do caso. Por isso, ordenou medidas de reparação e a promoção de projetos para prevenir a violência sexual.

O movimento “No es hora de callar” conseguiu tirar milhares de mulheres do silêncio que, com o apoio de Bedoya e refletido nela, ousaram denunciar agressões sexuais e violência baseada no gênero.

Em 2014, 25 de maio, data do seu ataque, foi declarado Dia Nacional da Dignidade das Mulheres Vítimas de Violência Sexual no Contexto do Conflito Armado Interno em seu país.

Em 2020 recebeu o Prêmio UNESCO/Guillermo Cano de Liberdade de Imprensa Mundial.

Bedoya e sua organização são o melhor exemplo da defesa dos direitos humanos, aqueles direitos pisoteados de indivíduos ou grupos que exigem uma voz incansável para fazer a sociedade civil acordar e exigir a condenação daqueles que os violam e o retorno ao caminho marcado pela estrutura global que os cidadãos e os Estados adotaram em 1948 para acabar com a barbárie.

Proposta: Sofía Reyes

Proposta: Sofía Reyes

Jineth Bedoya

José Palazón

José Palazón
José Palazón (Cartagena, 63 anos) passou quase três décadas ajudando os menores migrantes e muitas das milhares de pessoas que escapam das dificuldades em seus países e ficam presas na fronteira de Melilla. A força motriz por trás da ONG Prodein, Palazón é o autor de uma imagem icônica: a dos imigrantes empoleirados em uma cerca enquanto outras pessoas jogavam golfe do outro lado, alheias ou insensíveis ao drama.

Palazón e sua organização têm acompanhado de perto, durante anos, como chegam os menores, tentando protegê-los em todas as circunstâncias. O principal risco que enfrentam é serem enviados de volta ao Marrocos, um risco que aumenta se forem subsaarianos, enviando-os de volta para um inferno muito maior do que aquele do qual estão fugindo.

O ativismo de Palazón é incansável. “É uma pena, mas em Melilla, em nosso próprio país, há crianças de oito anos absolutamente sozinhas e deitadas na rua” “Mulheres de cor que chegam de barco quase sempre caem em redes de tráfico; as demais entram pagando às máfias marroquinas na fronteira”. O conhecimento de Palazón sobre a dura realidade de Melilla é indiscutível. “Desde 2014, uma média de 3.000 pessoas negras entrou pulando a cerca, não uma única pessoa branca; uma média de 7.000 pessoas brancas entraram pelo posto Beni Ensar e não uma única pessoa negra”.

Palazón trabalha para tornar esta realidade visível e denunciar publicamente os acordos de retorno com o governo marroquino.

Proposta: Asociación Fuco Buxán
Proposta: Asociación Fuco Buxán
José Palazón

Médicos sin Fronteras

Medicos Sin Fronteras
Fundada em 1971 por um pequeno grupo de médicos e jornalistas franceses, Médicos Sem Fronteiras (MSF) é uma organização médica e humanitária internacional que presta ajuda às vítimas de desastres naturais e provocados pelo homem e conflitos armados, sem discriminação de raça, sexo, religião, filosofia ou política. Tem mais de seis milhões de membros, 3.600 profissionais internacionais e 37.800 funcionários locais em 462 programas humanitários em 72 países. Também tem status consultivo geral junto ao Conselho Econômico e Social das Nações Unidas.

  • Prêmio Nobel da Paz de 1999
  • Prêmio da Paz de Seul em 1996
  • Prêmio Príncipe das Astúrias para Concord em 1991
  • Prêmio Lasker-Bloomberg de Serviço Público

Seus maiores projetos foram na República Democrática do Congo (101 milhões de euros), Sul do Sudão (74,3 milhões de euros), Iêmen (61,5 milhões de euros), República Centro-Africana (57,8 milhões de euros) e Iraque (57,6 milhões de euros). Ela trabalha para prevenir e tratar doenças como tuberculose, AIDS e meningite em diferentes partes do mundo.

Desde o início das atividades de busca e resgate em 2015, MSF implantou equipes médicas a bordo de sete barcos de resgate, algumas vezes operando em colaboração com outras organizações. No total, suas equipes já participaram de 682 operações de busca e resgate, atendendo mais de 81.000 pessoas.

Em 2016, Médicos Sem Fronteiras renunciou ao financiamento da UE e de seus estados membros em protesto contra a política de migração prejudicial incorporada no Acordo UE-Turquia para terceirizar o controle da migração de pessoas.

Em maio de 2021, foi fretado o Geo Barents. Possui uma clínica, maternidade e sala de observação para todas as atividades médicas a bordo. A embarcação tem dois barcos de resgate rápido (RHIBS) para lançamento durante as atividades de resgate. Somente nas últimas duas semanas de 2021, realizou oito operações no Mediterrâneo central, resgatando e prestando assistência médica a quase 600 pessoas. Em 25 de janeiro de 2022, tinha resgatado 439 pessoas.

www.msf.es

Proposta: Amnistía Internacional

Proposta: Amnistía Internacional

Medicos Sin Fronteras

Padre Júlio Lancelotti

Julio Lancellotti
Júlio Lancelotti iniciou sua educação formal com os Missionários Servos do Espírito Santo em Tatuapé. Aos doze anos de idade entrou no seminário de Araraquara, mas, irritado pela rigidez da instituição, retornou a São Paulo, onde terminou sua formação em uma escola agostiniana. Ele decidiu novamente se preparar para uma carreira religiosa e se tornou um frade, mas aos dezenove anos de idade ele deixou a batina novamente. Entretanto, ele completou um curso como assistente de enfermagem e começou a exercer sua profissão. Formou-se em Pedagogia e Orientação Educacional na Universidade, onde trabalhou como professor assistente, além de lecionar em várias escolas.

Lancelotti também trabalhou no Serviço Social para Menores, que mais tarde se tornou a Secretaria Municipal de Assistência Social e Desenvolvimento, e no Centro de Apoio ao Imigrante, ensinando crianças com dificuldades de aprendizagem.

Em 1980, ele conheceu Monsenhor Luciano Pedro Mendes de Almeida, então bispo auxiliar de São Paulo. Juntos, eles lançaram as bases da Pastoral del Menor da Arquidiocese de São Paulo. Um ano depois, ele começou a estudar teologia e foi ordenado sacerdote. Ele participou com Luciano Mendes em todas as fundações da referida Pastoral del Menor e colaborou na fundação da Pastoral da Criança e na formulação do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que ainda hoje está em vigor.

Em 1986 foi destinado à paróquia de São Miguel Arcanjo da Mooca, onde iniciou seu trabalho pastoral com os desabrigados e menores abandonados. Ele participou da campanha contra os abusos na Fundação Estadual para o Bem-Estar dos Menores (FEBEM), que resultou em um manifesto contra a política da “Cacete Pedagógico” e a renúncia de seu presidente. Quatro anos depois, ele foi um dos fundadores da Comunidade Povo da Rua São Martinho de Lima, um abrigo para sem-teto. A comunidade tinha uma cozinha, uma lavanderia e uma pequena carpintaria para cursos de formação profissional.

Padre Lancelotti trabalha com menores infratores, pacientes em liberdade condicional, pacientes com HIV/AIDS e populações de baixa renda e sem teto. Ele acredita na pessoa humana acima de tudo, “como a imagem e semelhança de Deus” e acredita que todos os cidadãos devem ter seus direitos respeitados.

Em 26 de julho de 1991 ele fundou a “Life House I”, e mais tarde a “Life House II”, para crianças que sofrem de HIV. O projeto foi patrocinado por Diana, Princesa de Gales, e recebeu financiamento de várias organizações religiosas ao redor do mundo. Como Vigário Episcopal do Povo de Rua da Arquidiocese de São Paulo, ele é responsável por vários projetos municipais na cidade de São Paulo para atender os necessitados, os invisíveis, os viciados em drogas, pessoas com HIV/AIDS, imigrantes, refugiados. Um exemplo é o programa “A Gente na Rua”, composto por trabalhadores comunitários de saúde, ex-moradores de rua, que trabalham sob sua coordenação. Padre Lancelotti não deixou as ruas durante a pandemia, trabalhando também para conseguir vacinas para os desabrigados.

A Prefeitura de São Paulo em 2019 e 2020 colocou obstáculos de pedra em espaços públicos (sob viadutos, praças, etc.) para que os desabrigados não dormissem. Lancelotti, machado na mão, foi removê-los – uma imagem que se tornou viral – fazendo a cidade parar de colocar obstáculos em suas ruas e praças.

Por seu trabalho relacionado aos Direitos Humanos, ele foi reconhecido pela Unesco e recebeu seu primeiro título de Doutor Honoris Causa da PUC.

Proposta: Red Acampa Brasil

Proposta: Red Acampa Brasil

Julio Lancellotti

Sultana Jaya

Sultana Jaya
Ativista Saharaui reprimido pelo governo marroquino e defensor dos direitos do Povo Saharaui. Uma mulher lutadora e representante de um povo inteiro expulso de seu território.

Seu testemunho a define:

“Meu nome é Sultana Jaya, eu sou Saharaui, ninguém sabe que eu existo.
Em 2007, um policial marroquino me roubou, me agrediu, me arrancou o olho…
meu crime, demonstrando pela liberdade do meu povo.
minha punição, uma condenação.
Meu nome é Sultana Jaya, sou Saharaui e só porque sou Saharaui, não me é permitido ser livre.
Meu nome é Sultana Jaya e como sou Saharaui, quando chego ao meu país, a polícia marroquina tem o direito de me prender por horas, revistar minha bagagem, me subjugar e me humilhar.
A suspeita do meu crime, carregando uma bandeira saharaui.
Meu nome é Sultana Jaya e sou Saharaui, e por ser saharaui estou presa em minha casa há mais de 180 dias,
meu único crime é gritar liberdade.
Meu nome é Sultana Jaya e como sou Saharaui, eles tentaram arrancar meu único olho restante, arrancaram dois dentes de minha irmã e agrediram minha mãe só porque eu sou saharaui.
Meu nome é Sultana Jaya e eles pulverizaram minha casa com produtos químicos, cortaram nossa eletricidade, roubaram tudo, desde dinheiro até utensílios de cozinha. Nossa punição por agitar bandeiras saharauis.
Meu nome é Sultana Jaya, sou Saharaui e eles nos violaram, não só tomaram nossos direitos humanos e nos espancaram, bateram e os reduziram a sua expressão mínima, mas também violaram diretamente nossos corpos com objetos, colonizaram nosso corpo, o ocuparam ilegalmente, como fizeram com nossa terra.
Mas o que as bestas não sabem é que nossa alma é tão livre quanto o vento,
tão forte quanto a areia do deserto,
que nossa força é mais digna e selvagem do que qualquer golpe que eles possam nos dar.
Meu nome é Sultana Jaya, sou uma Saharaui, e nunca vou parar de gritar: Sáhara Livre!

Proposta: Mabel Pérez Simal

Proposta: Mabel Pérez Simal

Sultana Jaya